08/12/2012

Passatempo - Participação vencedora III


Queridos Amigos,
Ontem o cansaço deu conta de mim e literalmente caí para o lado a dormir. Milagre!
Hoje tenho de dizer que comemoramos a Imaculada Conceição e que o Rei D. João IV entregou a coroa dos reis de Portugal a Nossa Senhora, nomeou-a Padroeira de Portugal e a partir daí mais nenhum rei nem nenhuma rainha de Portugal usaram coroa. Nossa Senhora é rainha de Portugal e hoje entreguei-lhe todas as nossas vidas, problemas e necessidades incluídos, e pedi-lhe que governe este país até porque os políticos não sabem.
Na véspera da festa de arromba dos anos - data redonda - do meu querido Pai, aqui venho fazer o que devia ter feito ontem: mais uma participação vencedora, esta muito especial tendo em conta as festas destes dias da minha família. Parabéns à participante, uma das fundadoras do meu blog de eleição.
Entretanto: devem ter vindo a reparar que tenho publicado as participações vencedoras e que, depois, se verá quem leva o extreme makeover no Illusion. Todos terão um bilhete duplo para o espectáculo do Filipe La Féria que está no Politeama, que recomendo vivamente "Uma noite em casa de Amália" !
Entretanto estou a organizar uma BIG BIG BIG BIG PARTY! Para Janeiro! Para entrarmos bem o ano! Arromba! TODOS estão convidados e vai ser mesmo de estouro. Depois conto. O Dezembro está todo preenchido e não ia conseguir. Melhor que fica para Janeiro porque é de entrada de ano.
No final da próxima semana: Paris.
Este fim de semana: Viseu.
Depois: Natal.
Agora: a participação da Dita (Ditinha querida! Parabéns!) com um texto que me emocionou tanto, tanto... Com tudo o que estou a viver agora, parece que foram escritas para mim...: Por isso esta é uma participação especial. A história de uma Senhora que gostei tanto de conhecer. A da fotografia de cima. Que estilo! Que bonita!
"Vou contar a história da minha participação, como sabe, infelizmente o nosso querido avô deixou-nos, apesar de ter partido para o Céu, nós  temos muitas saudades dele, os dias de luto foram dias de união e toda a família juntou-se na sala de estar a ver fotografias antigas, a memorizar os sorrisos dele, que por vezes ficaram encobertos pela doença, nos seus últimos dias.
Fui aí que eu encontrei esta fotografia da minha avô, a avô Minha! Não podia ser maior homenagem ao meu avô, porque o casamento deles era tão profundo, eram tão entregues um ao outro que já nem se distinguem.
Vou contar a história da minha avó Minha, que em tempos tinha escrito, mas agora adaptada ao seu estado de viúva (esta é uma palavra que custa tanto dizer, quando falo da avó):
A minha família sempre foi muito família, almoçávamos ao domingo todos juntos numa mesa enorme e confusa, tios, primos, irmãos, pais e avós a maioria tinha vindo da Missa a outra maioria tinha acabado de acordar depois da noitada de sábado. Havia sempre doce e salada de fruta no final, as conversas eram de esquerda de direita, de musica e de filmes, do trabalho de risos e de tristezas, muitas vezes pouco perceptíveis quando havia uma necessidade de darmos a nossa importante opinião, interrompíamos e atropelávamos a opinião pouco importante dos outros.
Era confuso, mas a melhor palavra para descrever é que era Alegre. A grande recordação não era de todo a comida maravilhosa ou as limonadas feitas na hora, era daquela cabeceira, lá estavam o meu avô e a minha avó, sempre, o avó Francisco e a avó Margarida, que os netos carinhosamente chamam somente avó Minha, porque todos queremos tê-la.
A minha família sempre foi muito matriarcal, tal como a Sagrada Família, mas com uma Margarida daquelas era impossível não sê-lo, a avó minha é uma mulher forte e determinada uma referência na minha vida, mas sobretudo esta avó é um exemplo de santidade! Agradeço muito porque realmente vivo com uma Santa na minha casa. Teve cinco filhos educou-os de uma forma tão livre que todos eles são diferentes e seguiram caminhos diversos, mas a preocupação ainda hoje são constante.
A minha avó Minha é uma mulher linda, não só pela sua bondade que é tão pura, que nunca me levou a pôr em questão a bondade humana, ou nunca precisei de Rousseau para nada, (agradeço tanto aquela a bondade porque neste sentido foi uma educação muito protegida). Mas como ela é lindíssima a avó Minha, tem uma pele macia e os olhos claros, azul agua, da qual eu nunca vi uma expressão de fúria mesmo quando nós fazíamos as piores asneiras lá em casa. Nunca brigava, por isso eu queria passar a maior parte dos meus dias na casa dos avós, e quando ficava de castigo era praxe, "não vais lá para cima", cheguei mesmo a fugir pela janela do meu quarto, que da para um enorme quintal e depois lá estava a varanda da casa dos avós, um lugar fantástico e não só porque havia sempre chocolates escondidos em lugares secretos e o meu avô não sabe guardar segredos, se é que me entendem.
A minha avó teve cancro, foi como um terramoto na família, lembro-me muito bem desse dia, e a avó Minha saiu da consulta determinada, "eu vou lutar pela vida", outra coisa não se esperava, talvez porque ela ame tanto a vida, os filhos, o marido que não podia deixar-se ir. "Se eu morrer quem vai cuidar do teu avô?" Sofreu e sofreu muito, lembro-me de cada momento, quando foram com ela escolher perucas, lembro-me de lhe pegar a mão quando raparam-lhe o cabelo, que não servia de nada, ela mesmo careca era linda, lembro-me na sala de quimioterapia, estava sempre preocupada com os outros, lembro-me das dores que tinha quando chegava-se a noite e lembro-me de como ficava zangada quando o meu tio obrigava-a a comer brócolos misturados com soja e mirtilos, perguntava-me sempre, "vocês não querem ir ao McDonalds?"
Apreendi mais sobre a vida naqueles dias do que em muitos anos, aprendi sobre o amor e sobre o sofrimento, lembro-me de ela ter dito "é pelos teus tios e pela tua mãe", a visão mais cristã do sofrimento eu tive ali, aquela doença era por Amor.
O meu avô apaixonou-se por ela desde o primeiro momento que a viu, quando o avô estava doente por vezes tinha falta de memoria mas contava sem fim esta história, começava sempre, mas sempre da mesma maneira: "Dita, acreditas no Amor à primeira vista? Pois foi assim que eu me apaixonei pela tua avó! Ia na rua da Sé quando a vi e apaixonei-me, mas não era uma paixão qualquer era amor, disse logo para mim eu vou casar com aquela mulher, mas ela era da família dos condes de Siúve de Menezes, aristocrata e eu era republicano convicto, mas casei, porque no Amor o sangue não tem cor !"
Por isso acredito no Amor, e no Amor à primeira vista, acredito sobretudo na entrega, no casamento mas no casamento para toda a vida, mesmo que alguns bloquistas queiram-me dizer o contrário, desculpem mas para mim não é anacrónico é de hoje, foi entre o avó Francisco e a avó Minha, não é conservador é bem moderno, é o Amor.
Hoje a Minha venceu o cancro, só tem marcas, tem dores profundas. Mas quando acordava perguntava logo pelo avô, pois ele tenha uma doença degenerativa, afectou algumas partes motoras e do raciocínio menos a parte do "amor à primeira vista", foi preciso ter paciência, foi difícil de lidar com uma pessoa doente, mas a Minha está sempre lá, é a que aguenta melhor e com mais força, é que lhe dá a mão, é que está sempre ao lado, mesmo com as suas dores e limitações, mas tinha o marido em primeiro lugar em tudo, sempre foi assim os outros. Podia não estar bem mas dizia, "rezem é pelo avô, ele é que precisa!"
Hoje vê-se uma geração que não sabe tratar dos seus doentes, não sabe lidar com o sofrimento, é horrível estar alguém ao nosso lado que sofre, que se queixa, que se suja, que se esquece, mas o Amor supera tudo e é esta a verdadeira dignidade do ser humano. Não me venham com outras tretas. A dignidade do homem é também sofrer, e ter uma mão ao seu lado.
Costumo dizer que o minha fé vem da fé da minha avó, ela que reza o terço vai a Missa quase todos os dias (quando tem forças, o que me faz pensar e eu que tenho forças porque não vou todos os dias?) e que tinha um grande amor ao João Paulo II (até vejo muitas parecenças entre os dois), a minha avó ensinou-me a amar Jesus, a beijar a cora do Espírito Santo antes de me deitar, a pedir pelas almas do purgatório a rezar o terço e a salve rainha. Ela foi o meu apoio nas minhas crises de fé, ela não me deixou afastar da Igreja, a ela devo muito, mesmo muito.
Mas não foi só pela doutrina, foi pelo exemplo.
Como não poderia acreditar no Amor depois disto.
Rezo para não ser só o nome que me faça igual à Maria Margarida à avó Minha.
Bastava-me ser igual a ti!
"Amar é admirar com o coração; admirar é amar com o espíritocomo diz o escritor Théphile Gautier.

E eu acrescendo: obrigada Avó Margarida. Avó que agora é "Minha" também.
Gostei de a conhecer assim!
LINDA!

Um beijinho da Maria

4 comentários:

Rosarinho MB disse...

Parabéns!!!
Mas que seguidoras estilosas que a Maria tem no seu blogue!!!
Que texto lindo! =)
Beijinhos e parabéns, Benedita! És um orgulho!

Maria Ana Bessa Monteiro disse...

A Ditinha é mesmo uma princesa :) Adorei!

Maria disse...

Junto-me aos elogios das vencedoras a esta vencedora: PARABÉNS. Cada uma das três tem muito para dar. muito para mostrar. muito para fazer pensar. estou ORGULHOSA. as três têm um logo caminho a percorrer neste mundo fashion, com muito ESTILO! E mais vencedoras se vão seguir!

Tázinha disse...

Conhecendo a Dita, arrisco a dizer que herdou o coração da sua querida avó. Ninguém fica indiferente à sua alegria e generosidade.
Numa sociedade onde é "moda" ser ruidosamente "feliz" e "solidário", e em que, para alguns só faz sentido sê-lo sob os holofotes públicos, exemplos da avó e da neta são do mais elegante que há!
A Dita é, sem dúvida, uma lady cheia de estilo!!