20/12/2014

Viseu.

Viseu é assim. Uma mulher vai, pela primeira vez na vida, pintar as unhas com gelito (e a promessa de durar um mês: depois conto!) e vê este espetáculo, na Igreja dos Terceiros, no Rossio.

18/12/2014

Victoria´s Secret: o segredo.

O segredo da Victoria's Secret é muito simples e conta-se em poucas linhas: fazer um super show a passar em tudo o que é televisões, telejornais, revistas com "anjinhos" com direito a asas (as mais valiosas) e outras sem as asas, mas todas num corpo (des)coberto absolutamente fabuloso em soutien e cuecas reduzidos, saltos altos vertiginosos, meias suspensas por ligas, cheias de plumas, purpurina e pedras preciosas (de milhões) para vender roupa que é uma porcaria  para as mulheres "normais" (= sem corpo de vertigem).
Não joga a bota com a perdigota. Ou esta gente se engana ou anda a enganar.
Os corpos das modelos fazem inveja até às pedras da calçada e as mulheres comuns ficam com aquele nervoso miudinho a chamar nomes à natureza que deu tanto a tão poucos e tão pouco a tantos (grupo em que se incluem). Isso já deu muito que falar, muita polémica.
As "pobres" rapariguinhas "normais" que olham para aquilo e ato contínuo é caírem em frustração porque não alcançam ter corpos de estalão, musculados e "siliconizados" nas doses certas para uma forma perfeita e de cair para o lado, sim.
Agora vamos ao segredo da Vitoria's Secret: pôr as rapariga de corpinho ao léu num espectáculo que termina com duas em reduzidas pedras preciosas de milhões para vender ao comum dos mortais roupa interior que não presta para nada.
Há aqui qualquer coisa que não dá certo para as mulheres: as que compram mas não têm o corpinho para dar ao manifesto nos shows da Vitória merecem coisinhas melhores do que as coisas de má qualidade que vendem nas lojas. Uma porcaria que atira a Oysho (grupo Inditex) para a categoria de "premium" e nem chega aos calcanhares da cangalhada da Primark (onde comprei um top por indicação de uma Londinense que ainda me dura hoje). Para não falar da Dim, da Triumph e ...da La Perla...
Agora vamos à história da Vitória: parece que havia um homem que queria comprar roupa interior para a mulher. Mas - vá-se lá saber porquê - não ia com a dita (porque devia andar ocupada com outros afazeres: com um marido destes também a compreendo). Então teve a brilhante ideia de criar lojas de roupa interior (de mulheres) em que as empregadas vestissem a roupa interior para que ele visse com os seus próprios olhos como é que ficavam no corpinho, o que é sempre bom (não há nada como a experiência). Não cheguei a perceber se também dava direito a apalpar os tecidos (também é importante para testar a qualidade). Parece que o homem acabou mal mas antes disso vendeu a empresa por um preço exorbitante (isto é tudo de vertigem) ao raça do atual proprietário que não anda a apalpar nem a mandar as empregadas vestir a roupa interior na privacidade das lojas mas teve uma ideia muito mais brilhante: fazer isso em público e com efeitos mediáticos de dimensão mundial. A única diferença é que as veste com lingerie exuberante e  vai vender nas lojas  porcarias a preços ... exorbitantes.
Se isso não fosse nas Américas e na Europa eu  dizia que era o negócio da China.
Agora, para atirar areia para os olhos, depois da polémica sobre o exibicionismo destes shows, manda o recadinho pela portuguesa Sara Sampaio. Porque, coitadita da moça, não pode ter o corpo da não-sei-quantas (se não souberem do que estou a falar: vejam o vídeo, em baixo).
Pena é que o homem pensa que as mulheres são parvas. E dá nisto.Como os homens gostam, passa na televisão.

Depois venham-me falar da ..... da"igualdade de géneros", venham, que eu mando-os todos mas é à .....


14/12/2014

Continua a dar cartas. Inspiração.

Quando se pensava que o sítio do costume já não trazia nada de novo, continua a dar cartas surpreendentemente.

Tentação. Objeto de desejo. Não fosse a trabalheira...

Está  no radar. Aqui.
Sinceramente: não fosse a trabalheira que isto dá a vestir e a despir (e não é só de manhã e à noite, imaginem...): já cá cantava. 
Amo de paixão.
Mas não o suficiente para o tempo que me vai fazer perder e as camadas que, por agora, tinha de pôr por cima e por baixo.
Só de pensar....


Veja mais:

26/11/2014

Local de trabalho ou de engate?

Hoje: depois de conferências telefónicas com clientes em lugares longínquos, um implante de um dente na boca (com direito a serra e tudo), uma sessão de fisioterapia ao dedo (que ficou inchado e torto desde há um mês numa lesão desportiva no Spartans! o dedo da minha aliança que agora não cabe lá! Podia ter sido outro dedo, mas foi logo esse :( :( :) ), o que me levou às lágrimas por estas "perdas de tempo" com corridas e stresses, com coisas que mandam outras para trás, no final do dia "reclusei-me" e foi a hora da inspiração. Aqui vai, em forma de "chuto" (não se magoem!!!!):

  • Muitos problemas se resolveriam se as mulheres e os homens que todos os dias saem para o seu trabalho e se apartam das suas famílias por mais longas horas do que as que estão com elas (acordados) têm como primeira prioridade - e o têm no centro do seus corações - a sua família.
  • Trabalham mais, concentram-se mais, aumenta a produtividade: ganha a entidade para quem trabalham.
  • Pessoas felizes trabalham mais e melhor. Pessoas que se sabem amadas, ancoradas por uma família sólida, focadas, bem resolvidas, não perdem tempo "à procura" ou desconcentradas pela falta de ordem (na vida mas, sobretudo, dentro da cabeça).
  • E por último (e vai à bruta: desculpem, sim?): porque esta é a forma mais eficaz e segura de não ir fazer para o trabalho o que se é para fazer em casa. E estes casos multiplicam-se com um final que nunca é bom: nem para a empresa, nem para a família nem para os próprios.
  • E já agora: isto passa pela roupa ou por aquele "certain regard" (=um certo olhar) que leva certos homens a ver nas colegas de trabalho um objeto apetecível (e descartável, é certo). Raios que os partam, sim. Mas aquele "certain regard" - e o objeto do mesmo - também se põe a jeito do "raios que os partam". Voz da experiência que já passei por muitos antros destes que, em certos momentos, mais pareciam local de engate do que de trabalho.

Com dor de dentes, sim. Mas entrou-me: o centro é a família e o resto ganha tudo com isso.
Aqui fica. Só espero que aproveitem tanto quanto eu.

E sempre: um beijo da Maria com a promessa da companhia a um simples clique!!!!! E desculpem a minha linguagem. Sem cerimónias....

PS: e se um colega lhe pedir insistentemente para ir sair com ele (um café, um almoço, um gin tónico no bar da moda, ....) diga que não, mesmo que o motivo seja "desabafar". Se ele insistir mais, não o deixe pendurado. Aceite. Peça-lhe o dinheiro e vá sozinha.
Esta regra tem exceção: se o convite vier de um bem "apessoado" e se você não tiver conjuge à espera. Vá. Vá. Vá. Sabe Deus o que daí virá.

24/11/2014

Palavra do dia: saia com tudo a multiplicar-se. Assumidamente.

Não passa este Inverno sem uma saia assumidamente comprida, sem ambiguidades nem equívocos. Ando enganchada nas saias compridas, abaixo do joelho.
Ontem experimentei uma na Zara das Amoreiras. E fiz dela a minha escolha. Polipele. Plissada mas cai bem: direita, sem problema de multiplicar a visão da parte de baixo como costuma acontecer com os plissados.
Saias mais compridas. Para serem acompanhadas, da parte de cima, por malhas em formato "clean" (preferência para a caxemira ou seda com lã), ou blusa (de preferência masculina ou em onda militar de cintura marcada).
A parte de baixo é que faz toda a diferença. Muitas conjugações de que resultam looks completamente diversificados, para contextos e "moods" diferentes. Como são os nossos, certo? De facto, não há um dia igual ao outro.


Aqui fica:

18/11/2014

"Casamentos" improváveis.


Dia sombrio e há que passar a chuva em falso porque a luz brilha. Luz. Luz de dentro e luz que nos surpreende também algures lá no fundo. 
Depois, com este passar a chuva em falso e porque estou cansada do "mais do mesmo" das galochas com lã, chegam os stilettos (fora com as botas nem que seja por um dia!), chega a mistura de última hora do beringela com bordeux com o laranja e com o azul escuro, tudo envolvido num trench coat em formato amarrotado e com cobertura de "cobertor". Porque está frio e porque aconchega e porque gostamos. Por dentro vai o eterno blazer de riscado diplomático com calças de um xadrez disfarçado. 

Na verdade, amo as misturas, 
Xadrez vs riscas
Blazer masculino acertoado vs folhos ultra-femininos.
Chapéu masculino (q.b.) vs brincos compridos de folhas e flores
As calças, essas, têm o novo formato: mais largas, cintura (muito) subida e curtas.
Para ver mais, aqui:

13/11/2014

Descubra as diferenças

 A visão é dantesca mas, como a própria faz questão de a publicitar em todos os jornais e revistas normais (= não pornográficas) e porque nós não nos queremos  habituar à porcaria que é ver uma mulher reduzida a carne no talho, aqui fica a notícia de útima hora: a partir de hoje não há diferença entre a visão da Kim Kardashian e a de um "enorme" traseiro. Reluzente e gorduroso. Mais enorme que o ENORNE aumento de impostos sofridos em Portugal nos últimos anos. Porque este é um traseiro onde cabe tudo mas que não cabe em lado nenhum.
Tenho dito.

11/11/2014

Novidades: os indispensáveis desta estação!

Ora aqui está um post que vem mesmo a calhar.
Começou o frio mas, sobretudo, começaram a cair no telemóvel mensagens de descontos e outras promoções sempre e invariavelmente benvindas.
No fim de semana passado: outlet Loja das Meias no Hotel Altis Belém com peças intemporais do topo: Dior, Stella Mccartney, Marc Jacobs, Lanvin, Valentino, Blumarine (!), Alberta Ferretti (!), Missoni, Pucci, etc. Muito bem organizado por marcas, bem exposto e arrumado. O atendimento muito bom porque estavam muitas pessoas a atender e ajudar com os nossos tamanhos e aquele olho clínico para o que é a nossa cara. Os descontos correspondiam a pagar uma percentagem das peças de 30% a 40% (o que equivale a descontos de 70% a 60%).
Um verdadeiro evento imperdível, portanto.
Para a próxima irei estar atenta e divulgar. Já há umas semanas a BCBG, Karen Miller e Max & Co fizeram o mesmo no Espaço Amoreiras e, embora eu tivesse visitado ao final de dia com aquela sensação de que ia perder tempo, fiquei surpreendida pelos descontos e, sobretudo, por lá ter encontrado tantas peças de paixão da coleção imediatamente anterior a preços comportáveis (descontos de 70%).
Vou passar a divulgar estes eventos porque, para muitas pessoas, são uma oportunidade única de ter uma peça excecional já que não o podem fazer a preços normais.
É certo que são peças de coleções passadas mas um vestido clássico e bom não tem época e é sempre uma compra acertada porque se usa, usa, usa e nos põe sempre impecáveis e nos resolve inúmeras situações.

Passamos agora para as novidades desta estação, sendo que são estas as peças que consideramos "indispensáveis", no sentido das que comportam mais em termos de tendência e novidade:
SAIA NA NOVA MEDIDA: ABAIXO DO JOELHO
XAILE OU PONCHO
CABEDAL
"Take a look" na seleção do Blog da Maria:

07/11/2014

Madrid. Dolce & Gabanna


Dolce & Gabanna.
A coleção desta temporada tinha-me enganchado como as anteriores. 
Tecidos ricos, bordados e brocados, num look de príncipes, reis e pessoas correntes em traje domingueiro onde não faltam pares de namorados e sacerdotes. Transpostas para a publicidade, passaram em imagens de famílias e pessoas paradas no tempo, de uma beleza e riqueza que, unindo um quotidiano de festa italiana, nos transportam para um mundo pictórico, sensorial, barroco, alegre, elegante.
Sempre com um "touch of luxury" que não falta nem aos sapatos "brogue", um "must have" desta e das anteriores temporadas.
Aquela ligação emocional com a marca está criada e não é de agora.
A coleção: maravilhosa.
A publicidade que continua com a super maravilhosa musa  Bianca Balti, repescou a Claudia Shiffer.
Para mim foi maravilhoso estar em Madrid com estas peças, fotografar e trazê-las para aqui.
O colar, esse, é muito "made in Portugal", maravilhoso, com as contas de Viana num plano de quase-museu.
Bem vindos!